Bené Fonteles

 

DAS DORES

Vem das brenhas do semiárido de um povoado que nem jeito de cidade pegou. Cipoal é lugar de pobre, seco e triste de dó. Nele se come de pouco, trabalhasse muito e saúde só da fé de benzedeira e raizeiro.

Das Dores andou de muito até chegar a Bom Jesus da Lapa para pagar promessa de cura, Das Dores deseja uma recordação fixada da peregrinação. A tristeza quase amarga do olhar peregrino não esconde a solidão agreste, o corpo seco e apegado na alma, tudo emoldurado pela tenda do fotografo lambe-lambe.

Quem é Das Dores que atravessa todo um sertão dentro se si mesma para pagar promessa e alargar esta alma romeira? Nenhum fotografo há de responder. Mas uma fotografia tão potente e expressiva do lambe-lambe ou do fotografo artista, há de somente perguntar ao imaginoso de cada criatura, o que há no avesso de uma rara imagem. Também no avesso do avesso da vida crepuscular de Das Dores.

Tudo é cru como carne seca ao sol. Não há poesia na vida nem nos benditos e orações que canta, recita e repete para iluminar a fé vesga.

Das Dores sobrevive do penitente ato de viver e guarda no coração uma alegria que não teve. Das Dores vive a solidão que nenhuma companhia cura. Só alivia quando na romaria depara com outras mulheres iguais a si. Todas elas cheias sem graça das dores de si mesmas.

Bené Fonteles é artísta plástico brasileiro

 

Click to zoom